A agência 3176 do Itaú, no centro de Belo Horizonte, permanece fechada, desde o dia 8 de outubro, por não oferecer condições de trabalho nem de atendimento. O Sindicato está atuando para garantir a saúde de funcionários e clientes, já que a unidade passa por obras estruturais que geram muita poeira e entulho.

A situação foi denunciada diversas vezes, mas o banco ainda não tomou as medidas necessárias para garantir a reabertura. Enquanto isso, funcionárias e funcionários foram direcionados para outras agências e o Sindicato garantiu, junto ao Itaú, que estes trabalhadores serão avaliados em caráter de exceção em relação às metas do mês.

A unidade de trabalho foi fechada pelo Sindicato inicialmente no dia 4 de outubro. Naquele dia, um funcionário chegou a passar mal e ser levado a um hospital de ambulância em decorrência da poeira causada pela obra. Diante da falta de medidas eficazes para assegurar condições de trabalho e atendimento, o Sindicato fechou a unidade novamente, no dia 8, e ela permanece fechada até então.

“Estamos agindo para impedir que trabalhadoras e trabalhadores do Itaú, assim como clientes e usuários dos serviços do banco, sejam expostos às péssimas condições em que se encontra a agência 3176. Não aceitaremos que o Itaú trate a saúde das pessoas com irresponsabilidade”, afirmou o funcionário do Itaú e diretor do Sindicato, Kennedy Santos.

Já Ramon Peres, que também é funcionário do banco e diretor do Sindicato, destacou que a unidade permanecerá fechada enquanto for necessário. “O Sindicato só vai aceitar que a agência volte a funcionar quando houver condições adequadas para os bancários trabalharem, sem oferecer riscos para sua saúde. Já sabemos que outras unidades também passarão por obras e não vamos aceitar que funcionárias e funcionários trabalhem em condições insalubres. O banco se preocupa demais com seu patrimônio e de menos com a vida dos seus trabalhadores. Seguimos acompanhando de perto essa situação”, explicou.

 

Compartilhe: